Marcas acham que o gordo vai desmerecer sua etiqueta, diz organizadora de evento de moda GG

publicado em 23/07/2010 às 06h00:

Segunda edição do Fashion Weekend Plus Size começa nesta sexta-feira (23) em SP
Sara Uhelski, do R7
DivulgaçãoDivulgação
Renata Pokus (à esq.) e Andrea Boschim são as organizadoras do Fashion Weekend Plus Size, evento de moda GG que acontece em São Paulo
Publicidade
Começa nesta sexta-feira (23), em São Paulo, a segunda edição do Fashion Weekend Plus Size, evento de moda GG que irá apresentar as tendências primavera verão 2011. Em dois dias, serão 14 grifes mostrando suas próximas coleções.

Em entrevista ao R7, a jornalista Renata Pokus, uma das idealizadoras do FWPS, contou que a ideia de criar um evento de moda grande surgiu após o contato com as leitoras de seu blog, o Mulherão, que tinham dúvidas sobre onde encontrar roupas legais e da moda em tamanhos maiores do que os convencionais.

Mesmo com o crescimento do evento, Renata diz que ainda sonha em criar uma semana de moda plus size, e não somente um fim de semana.

Leia a seguir a entrevista:

R7 - Como surgiu a idéia de criar um evento de moda GG?
Renata Pokus -
Sou autora do Blog Mulherão, um site voltado para mulheres que estão acima do peso e sempre recebo reclamações de leitoras dizendo que encontram muita dificuldade para encontrar roupas apropriadas para seu tipo de corpo. Pesquisando, descobri que existem sim muitas confecções que oferecem roupas para quem usa manequins maiores. O que não havia, até então, era um espaço de divulgação apropriado para este segmento.

R7 - Ainda é difícil encontrar roupas bacanas em modelo grande ou as marcas estão mais preocupadas em adaptar as tendências também para quem está acima do peso?
Renata - As marcas tradicionais não estão preocupadas em oferecer modelos em numerações maiores. É como se o gordo fosse usar a roupa e desmerecer a etiqueta conceituada. Para quem está acima do peso é ainda muito difícil se vestir seguindo as tendências. Entretanto, a moda plus size vem crescendo e investindo novas modelagens. Muitas confecções aboliram o tradicional corte “saco de batata” e estão produzindo roupas modernas.


R7 - Qual a principal dificuldade que uma gordinha enfrenta na hora de comprar roupas?
Renata - A maior dificuldade é o olhar de repulsa que eventualmente encontra nas atendentes das lojas, os manequins pequenos, a insistência por parte das vendedoras para que levem modelos de roupas que não valorizam sua silhueta, além dos provadores minúsculos, quentes e desconfortáveis. Quando a loja é especializada elas ainda enfrentam preços altos com o argumento de que roupa GG leva mais pano.

R7 – O que você acha de as marcas usarem modelos magérrimas nos desfiles com o argumento de que, dessa forma, a roupa é mostrada da melhor maneira?
Renata - Escolher modelos magérrimas e beirando a anorexia não é a melhor maneira, mas certamente é a mais fácil. Durante as provas de roupas do Fashion Weekend Plus Size percebemos que é mil vezes mais difícil provar roupas em mulheres de verdade, com curvas. Na minha opinião, quando colocam uma modelo bem magrinha na passarela, os estilistas procuram praticidade e não necessariamente representar a mulher real, aquela que efetivamente tem potencial consumidor.

R7 - E o que você acha da magreza excessiva de algumas modelos?
Renata - Acho a magreza excessiva de algumas modelos doentia. Assim como o excesso de peso também é.

R7 - Quais são os requisitos para ser uma modelo plus size?
Renata - O mercado costuma contratar modelos com manequim que varie entre o 44 e o 50. Beleza não é suficiente. É preciso ter um com corpo proporcional, cabelo e pele bem tratadas, ter boa postura física, andar adequadamente, ser fotogênica e responsável. O que as gordinhas precisam saber é que da mesma forma que nem toda magra e alta vira uma modelo fashion, nem toda gordinha tem perfil para modelo plus size.

R7 - Que conselho você daria para as meninas que estão acima do peso e acham que, por conta disso, estão totalmente deslocadas do mundo da moda?
Renata - É claro que é mais difícil para uma menina acima do peso encontrar uma roupa condizente com seu estilo e manequim do que uma magrinha. Mas não é impossível. Acho válido garotas que escrevem para lojas pedindo que aumentem suas grades de tamanho. Exigir mudanças é sempre melhor do que assumir uma posição eterna de vítima.

Meninas acima do peso que têm gosto por andar na moda, conseguem. Ressuscitam as costureiras, garimpam lojas especializadas na internet e até adaptam looks de brechós. Hoje, conheço gordinhas fashionistas que colocam muita magrinha estilosa no chinelo. Basta pesquisar e ser criativa.

http://entretenimento.r7.com/moda-e-beleza/noticias/marcas-acham-que-o-gordo-vai-desmerecer-sua-etiqueta-diz-organizadora-de-evento-de-moda-gg-20100723.html

0 comentários:

Postar um comentário