Livro (resenha): O casamento - Nicholas Sparks


Por Kássia Rocha
Será possível um homem mudar de verdade? Ou será que o temperamento e os hábitos constituem as fronteiras imutáveis de nossa vida?
Livro: O Casamento (The Wedding)
Autor: Nicholas Sparks
Páginas: 224
Editora: Arqueiro


Esta história é narrada por Wilson Lewis, um homem de 56 anos, casado com Jane, de 53 anos, no qual, possuem um casamento de quase três décadas. Em “O Casamento” Jane é filha de Noah, um personagem encantador, um sogro que está sempre presente, de alguma maneira, na vida de seus filhos e genros (e que podemos encontrar a história de Noah no livro “Diário de uma paixão” que, contava um romance pra lá de inspirador, de Noah e Allie). E Wilson é um nato advogado, que viveu pela carreira bem estruturada, e que começa a questionar sentimentos enterrados dentro de si e, de sua esposa.
Quando começamos a ler “O Casamento” nos deparamos com lemas e temas quanto à durabilidade de uma vida a dois, o desgaste, e a personalidade enfincada de cada personagem - de uma vida inteira, sem mudanças.  Logo de início Wilson declara-se um homem...

“Nunca me considerei um homem sensível e, se vocês perguntassem à minha mulher, tenho certeza de que ela iria concordar com isso. Não me emociono com filmes nem com peças de teatro, nunca fui sonhador e, se aspiro a algum tipo de domínio pleno, é àquele definido pelas regras do Imposto de Renda e codificado pela lei” Pg. 8.

A abordagem sobre casamento pode ser algo maçante e, por vezes, batido (mas não nas obras deste autor, que, vou me "surpreendendo" a cada livro que leio). As pessoas sempre contestam a vida conjunta, o amor e sua forma real, a busca por inovações diárias, ou a comodidade chega a destruir qualquer cotidiano, a conquista necessária e fundamentalmente habitual é questionada, nesta obra de Nicholas Sparks. O personagem narra suas reflexões e frustrações quanto às circunstâncias emergenciais em seu casamento, busca o crescimento e o desenvolvimento pessoal, só não sabe como fazer isso.

“É claro que todos os casamentos passam por altos e baixos: acho que isso é uma consequência natural para casais que decidem permanecer juntos por um bom tempo” Pg. 9.

"(...) Jane é o tipo de pessoa que eu sonhava ser. Enquanto eu sou sério e racional, ela é extrovertida e amável, dona de uma empatia natural que a torna encantadora. Minha mulher tem o riso fácil e um grande círculo de amizades." Pg. 14.

Eles tinham três filhos; Anna, Joseph e Leslie. Fala de suas personalidades distintas, de como os filhos são, em sua vida e conquistas pessoais, da proximidade que possuem com a mãe Jane. Enfim, da criação de seus filhos e das raízes familiares. É interessante como o autor constrói esta história, quando começamos a leitura, e imaginamos um caminho já traçado logicamente, pelas expressões do personagem... mas, conforme segue esta história, surgem surpresas agradáveis e muito bem trabalhadas - textualmente leve, e comovente.

Ao pensarmos, que muitos casos, atualmente, não há saída...

“Quantas pessoas têm essa personalidade? De que alguém que amam se apaixone por ela várias vezes?” Pg. 28.

... é aí que nos questionamos, e a resposta dependerá não somente de um, mas dos dois!

Em certos momentos no livro, Wilson vai narrando sua história com Jane, que, por sinal, é linda! E que engrandece a cada momento esta temática, tornando-a criativa e emocionante! Ele fala das fases de dificuldades e sentimentos controversos.

“Minha mulher, ao contrário, ainda se refere àquela época como “a era do ódio”. É claro que fala assim de brincadeira, mas duvido muito que ela queira reviver aqueles anos, como eu também não quero” Pg. 36.

O que encanta também, que vêm recheados de bons momentos, boas histórias e conselhos, é a relação de Wilson com seu sogro Noah (que, inclusive, para quem leu ou ‘viu’ a história de “Diário de uma paixão”, vai se apaixonar por essa continuidade, com Noah sempre presente nesta história, de sua filha Jane e sem genro Wilson), no qual, são amigos para todos os momentos, de como se entendem, e de quantas surpresas - e mistérios - vêm por aí nesta amizade verdadeira.
Ficamos sentados em silêncio até que Noah fez um gesto na direção da água.
- Sabia que os cisnes escolhem o mesmo parceiro para a vida toda? – indagou ele.
- Pensei que fosse um mito.
- Não, é verdade – insistiu ele. – Allie sempre dizia que essa era uma das coisas mais românticas que ela já tinha escutado. Para ela, demonstrava que o amor é a força mais poderosa do mundo. (...)” Pg. 52.

Esmiucei alguns detalhes desta narrativa romântica, não pense que isso é tudo o que há lá. Muito pelo contrário, muitas coisas acontecem, o final é primordial, pois mudará toda a visão da história!


Fico por aqui, super indico este livro, aos apaixonados como euzinha, o li em 2 tardinhas, e depois vocês me contam o que acharam!
Beijos.
Caká.

0 comentários:

Postar um comentário